top of page

2016

Surgiu em 2016 como uma práxis estético política mobilizada pela artista Thelma Vilas Boas a fim de ampliar a discussão sobre o campo da arte e seus paradigmas.

2017

Ganhou o apelido Lanchonete <> Lanchonete quando se instalou na garagem do Saracvra, um espaço de arte independente no bairro da Gamboa, tendo como ponto de partida a construção de vínculos coma comunidade através da comensalidade.

Admitindo o estômago e o "gesto de se sentar em volta da mesa em festa" como o dispositivo que aproxima diferentes e diferenças, com um layout de lanchonete tão conhecido por toda gente e que não requer nenhum conhecimento a priori para sua ativação, as urgências e demandas elencadas através dos corpos dos participantes revelaram o seu devir, experimentando um modo próprio de funcionamento, gestão, regras, agenda e festa.​

 

A L<>L consolidou-se a partir da ocupação espontânea do seu espaço diariamente pela comunidade, impactando diretamente na vida das crianças e seus relativos e indiretamente na vida de mais de uma centena de pessoas. O público que frequenta o espaço por decisão própria, ativos, pertencentes ao lugar e ao projeto, desfrutam de todas as dinâmicas gratuitamente. São crianças, jovens e adultos moradorxs do Morro da Providência, da Gamboa, das ocupações adjacentes e também de outras regiões, que com o tempo tem tomado conhecimento da agenda de atividades e convivência, sentindo-se atraídos pela proposta de construção de novas comunas e modos de ser, fazer e estar no mundo.

 

​Um movimento que pensa, se organiza e compõe novas inteligências a partir de múltiplos corpos que resistem contra a reprodução estrutural da violência, do racismo, da fome e injustiça social, pensando a urgência de se pautar as questões essenciais para a restituição de humanidades negadas em suas ações.

2018

>

>

LANCHONETE

da LANCHONETE

his

TÓRIA

L<>L migrou para o Bar Delas, uma ocupação no andar térreo de um imóvel ocupado há quarenta anos por cidadãxs sem moradia,
na Pequena África, liderada pela feminista, nordestina e moradora Kriss Coiffeur.

Ao tradicional boteco que já acolhia os moradores locais, aderiu-se, com a chegada da L<>L, crianças, artistas, pesquisadores, críticos, curadores, urbanistas e outros agentes comunitários. Na diversidade adversa, uma rede híbrida se configurou com o nome de
Lanchonete <> Lanchonete  Ocupação Bar Delas.

2019

Lanchonete <> Lanchonete está alocada em um galpão também na Rua Pedro Ernesto 16 e desenvolvendo os projetos: ESCOLA POR VIR, MULHERES MULTIPLICADORAS, ATENÇÃO PSICOSSOCIAL, MORADIA COMUM, MOCAMBO GRÁFICOCOZINHA ECO AFRO AFETIVA, DESLOCAR É PRECISO e CORPO_SOM_MOVIMENTO.

2020

Em resposta aos impactos socioeconômicos da pandemia da COVID 19, foi inaugurado o ENTREPOSTO LANCHONETE,
uma base de abastecimento gratuito de alimentos para
comunidade e o programa de 
FORMAÇÃO EM PANIFICAÇÃO
com Sandro Fernandes 
Gomes do Nascimento do projeto BOULANGERUA. Deu-se o início a RODA DAS MULHERES, atendimento à saúde mental das mulheres da comunidade em parceria com a ONG CASA DA ÁRVORE, todas as segundas feiras. 

2021

Se formou um coletivo de cozinheiras chamado GUERREIRAS DA GAMBOA composto por um grupo de mulheres do bairro a fim de atender o edital COZINHA SOLIDÁRIA da organização GASTROMOTIVA, fundada em 2006, pelo chef e empreendedor social David Hertz. Tendo sido selecionadas, na primeira etapa assumiram o compromisso de distribuir 400 refeições semanalmente ao longo de 12 meses e cumprir carga horária de formação em COZINHA SOCIAL. Esta capacitação levou 3 mulheres para o mercado de trabalho formal.

2022

No início do ano a L<>L recebeu apoio do Instituto Ibirapitanga para oxigenar seus programas nos eixos equidade racial e sistemas alimentares, o que contribuiu para 5 GRUPOS DE TRABALHO se consolidarem dentro da associação: GT Educação, GT Sistemas Alimentares, GT Moradia,
GT Psicossocial e GT ARTES. 


Na segunda etapa do editar Cozinha Solidária, o coletivo Guerreiras da Gamboa apresentou um projeto com o título CANTINA LANCHONETE, com a proposta de oferecer até 100 almoços/dia para as crianças e educadores da Escola Por Vir, suas famílias e comunidade ao longo do ano e comercializar outra quantidade no próprio bairro a fim de gerar renda para as cozinheiras. 
Veja o vídeo da TV Brasil (aparecemos a partir de 18:13)!

 A L<> L participou do Selvagem Ciclo de Estudosdesenvolveu o programa SABORES DOS SABERES e publicou livro de culinária com mesmo título em parceria com o Museu do Amanhã, inaugurou novo espaço no bairro onde estão a Biblioteca Erê, o laboratório de informática e um pequeno estúdio
para desenvolver trabalhos de audiovisual no âmbito das atividades da
Rádio Comunitária Lanchonete, este com 
apoio do Moinho Fluminense e
Museu da Pessoa. 
Além de duas participações importantes nas exposições
ZIL ZIL ZIL no Centro Cultural Hélio Oiticica no Rio de Janeiro e INDEPENDÊNCIA E VIDA na Biblioteca Mário de Andrade em São Paulo.