Esses mapas representam o quilombo Lanchonete Lanchonete

e foram confeccionados em uma oficina com todo coletivo em 2021.

Cada mocambo é um mundo, explore!

NOS

SO

GAL

P

Ã

O

/

mocambos

CIRCUNSTÂNCIAS

As circunstâncias criadas são fruto de invenção coletiva,
em forma de estações de experimentação – a exemplo da
Escola Por Vir,
da Padaria de Mulheres, das Conversas de Quintal, dos Grupos de Formação,
da Estação Gráfica, do Grupo de Música, do Entreposto, do Grupo de Saúde 
Mental e outras circunstâncias em diferentes campos da existência que contribuem para a potencialização das experiências subjetivas des participantes,
principalmente locais de baixa renda, 
promovendo  o bem-estar físico e desenvolvimento psicológico e intelectual.

Por meio de atividades compartilhadas em um ambiente saudável,
seguro, honesto, rico em diferenças e diversidade, que favorece a troca de habilidades e favorecendo a construção de inteligência coletiva e crítica sobre o mundo, a L<>L é o presente sem violência abrindo caminho para um novo futuro.

Usando uma linguagem simples e direta, baseada na prática da escuta,
a práxis L<>L busca refletir sobre o significado dos comportamentos e o que eles expõem sobre o contexto local em que estão enraizados, em termos de suas singularidades, necessidades, prioridades e seus espaços comuns -
a rua, a praça, a cidade, a história, a construção de uma sabedoria local, garantir a voz original, a partilha de alimentos, arte, cultura e política.

A L<>L entende que a educação é um processo humano, ancestral e comunitário, que transmite e gera valores baseados na investigação e na reflexão ativa, vivenciados individual e coletivamente no dia a dia.
Educação é a soma de narrativas pluriversas e a estratégia de proteção das sabedorias de povos historicamente marginalizados por um modelo de civilização dono de poder que se auto postulam como modelo de normalidade segundo o qual todos os outros povos e suas sabedorias são definidos como dissonante.

Propondo um movimento que se pensa e se organiza para produzir novas inteligências a partir da multiplicidade de corpos: crianças / jovens / adultos, professores, pesquisadores, vendedores, urbanistas, operários, artistas locais, agentes comunitários, agentes de saúde, entre outros, que resistem ao esquecimento da história de violência e injustiça social contra o povo preto, luta para que jamais humanidades sejam negadas novamente.

Portanto a L<>L convida a questionar as estruturas sociais dominantes para TODES JUNTES tecermos um novo tecido social onde narrativas diversas sobre o mundo sejam contempladas nos seus direitos e liberdade, por meio da construção de uma rede que desindividualize a vulnerabilidade e empodere todes sujeites participantes.